DGS  otorrinolaringologia Dr. Décio Gomes de Souza
<Voltar para Apostilas <Voltar Home

B3b) FISIOLOGIA DA CÓCLEA – ORGÃO DE CORTI

I)   Despolarização das células ciliadas - Fig.3bI

                        O órgão de Corti que se encontra apoiado na membrana basilar acompanha os seus movimentos. Isso faz os cílios das células ciliadas se deslocarem tangencialmente com o contato com a membrana tectória (Fig.3bI.1).

                        As faces ciliadas das células se encontram mergulhadas na endolinfa que contém mais potássio e a face não ciliada está apoiada na membrana basilar em relação com a perilinfa. Existe uma diferença de potencial de 80 mV entre a perilinfa (negativo) e a endolinfa (positivo). As células ciliadas possuem um potencial de repouso de membrana de -70mV em relação à perilinfa (superfície basal) e de -150mV em relação à endolinfa (superfície ciliar). Esse elevado potencial elétrico torna as células ciliadas muito sensíveis. O deslocamento dos cílios é o fato mecânico que faz alterar o potencial de membrana pela abertura dos canais de potássio e sua entrada na célula. Existe uma alternância entre despolarização da célula (deslocamento dos cílios em direção ao corpúsculo basal) com aumento da freqüência de impulsos nervosos e hiperpolarização (deslocamento contrário) com diminuição da freqüência (Fig.3bI.2).

                        A célula ciliada pode ser comparada a uma bateria e o deslocamento ciliar com a entrada do potássio o estímulo que “liga” a bateria (Fig.3bI.3).

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

    

1 – Deslocamento dos cílios com a vibração               2 – Impulsos nervosos desencadeados                    3 – Comparação a uma bateria

Figura 3bI – Fisiologia do órgão de Corti – despolarização e hiperpolarização das células ciliadas

II)  Etapas da excitação das células ciladas - Fig.3bII

      1ª) estimulação das células ciliadas externas (transdução mecanoelétrica) - pela posição anatômica e por estarem inseridas na membrana tectória as primeiras células a terem seus cílios deslocados pelo contato com a membrana tectória são as externas, ocorrendo então sua despolarização.

      2ª) contração ativa das células ciliadas externas (transdução eletromecânica) – as células ciliadas externas possuem proteínas contráteis (actina, miosina e tropomiosina) e sua despolarização desencadeia contrações rítmicas que aumentam a amplitude da vibração da membrana tectória na área referente à freqüência do som incidente.

      3ª) estimulação das células ciliadas internas (transdução eletromecânica) – com o aumento da amplitude de vibração da membrana tectória os cílios das células ciliadas internas tocam na membrana tectória ocorrendo sua despolarização e transmissão do impulso nervoso para os neurônios respectivos.

      

Em repouso                          1ª etapa                                     2ª etapa                                    3ª etapa

Voltar ao topo

<Voltar para Apostilas <Voltar Home